Laparoscopia

É uma técnica cirúrgica recentemente desenvolvida que permite que diversas operações sejam realizadas por meio de uma microcâmera de televisão introduzida no abdômen do paciente por um pequeno orifício (em média 1 centímetro), eliminando-se desta forma as tradicionais incisões. Existe uma forma de cirurgia laparoscópica denominada “mão assistida” na qual por uma pequena incisão o cirurgião pode colocar uma das mãos dentro do abdômen e com a outra manipular as pinças laparoscópicas. Tem a vantagem de ter uma curva de aprendizado menor.

Todas as cirurgias podem ser realizadas através da videolaparoscopia?
Não. Muitas cirurgias não podem ser realizadas por esta técnica, quer seja por impossibilidade técnica, tal como o paciente possuir cirurgias abdominais prévias, com aderências internas que impedem a passagem do aparelho, tumores de grandes proporções, quer seja pelo fato de esta técnica não trazer nenhuma vantagem ao paciente em relação às técnicas já existentes (como as cirurgias de próstata que podem ser realizadas pela própria uretra ou por via perineal).

Quais as cirurgias mais indicadas para se utilizar esta técnica?
Na área da urologia, as indicações mais comuns são: extração de rins atróficos (contraídos), colocação na bolsa escrotal de testículo de crianças que nasceram com ele dentro do abdômen, retirada de grandes cistos renais ou “cistos” provocados por cirurgias prévias (linfoceles), extração de tumores de glândula supra-renal, biópsia de rim, biópsia ou retirada completa de gânglios que estejam dentro do abdômen, coletando material para que se faça o diagnóstico diferencial entre moléstias benignas ou malignas, propiciando melhor planejamento terapêutico.

  1. Vantagens
    Várias são as vantagens para o paciente, dentre elas temos:
    . Ausência de cicatriz visível, já que normalmente a câmera de TV é introduzida pela cicatriz umbilical e os outros instrumentos, que variam de 2 a 4mm são passados através de pequenas incisões de 0,5 cm que ficam imperceptíveis com o passar do tempo.
    . Pouca dor pós-operatória e alta hospitalar extremamente precoce, quando comparada à mesma cirurgia realizada de maneira tradicional.
    . Menor perda sangüínea e menor chance de formação de hérnias no local operado.
    . Retorno mais rápido as atividades normais.
  2. Desvantagens
    . Os equimamentos utilizados são caros.
    . O tempo operatório sempre mais longo quando comparado a cirurgia tradicional.
    . A curva de aprendizado muito longa, dependendo de grande habilidade e destreza manuais (cirurgia para poucos).
    . Suas complicações quando ocorrem costumam ser graves.
    . O custo final para o paciente geralmente é bem mais caro.